domingo, 1 de julho de 2018

Transumância III


A tarde foi mais descontraída, embora a maior parte do tempo fosse ocupada com convívio, contos e musica. Daqueles sons que libertam os espírito numa partilha de melodias e palavras quentes, lembrando debaixo de um céu infinito algo primitivo, cheio de calor humano, que nos liga e lembra de como sentimos o sangue pulsar nas tristezas e sorrisos desta existência.




Transumância II

Desenhos da manhã, desenhando e andando.
Uma bela caminhada entre as brumas e o negro das árvores, na sua grande parte ardidas...
A atmosfera merecia detalhes de uma hora e a magia da aguarela, mas tinhamos três rebanhos que não paravam e mesas mais acima na aldeia, cheias de iguarias da serra para degustar. :D





Transumância I

Preparação para a transumância, o vale de Seia deixa-se inundar por uma nuvem espessa de chuva, a paisagem é agora uma nuvem pontuada por pequenos pontos de luz incandescentes ao longo das estradas vazias...
A manhã acorda serena

sábado, 23 de junho de 2018

Desenhar com Bruno Vieira no Carmo

Um excelente dia de praia!
No entanto, alguns sketchers aficionados ainda foram até ao museu do Carmo ouvir falar de desenho, do meu percurso nos diários gráficos e aceitar o desafio das miniaturas.
Por breves momentos, esteve patente uma mini exposição dos meus trabalhos, era um desafio que começava pela escolha de uma das miniaturas, nas costas de cada desenho estava uma forma geométrica e uma palavra aleatória, estas decidiam o que iriam desenhar.
O sucesso do desafio foi tal que houve quem procura-se mais miniaturas para novos desenhos.








Fiz um desenho sobre Céu que me calhou na escolha (nem eu próprio sabia cada tema em cada miniatura) e perdi-me na maior parte do tempo a tentar transmitir a forma como a arte e o desenho podem temperar a realidade que observamos.
Um abraço e obrigado a todos!
Bom Verão! 

quarta-feira, 11 de abril de 2018

Desenhar Moinhos

Começamos na Bordinheira, a 9km de Torres Vedras, um pequeno desvio no caminho para Santa Cruz depois da Ponte do Rol.
Fomos recebidos pelo Sr. Joaquim Constantino, um moleiro que vai fazendo negócio com dois moinhos recuperados e activos, foi um prazer ouvir a sua experiência sobre os engenhos, sobre a história e sobre o tempo.

O primeiro desenho de aquecimento aguentou uma parte da manhã sem chover.


Com o aparecimento de alguns aguaceiros abriguei-me no armazém da farinha, com direito a mesa e bancos.


 Ainda passamos pelo moinho dos Caixeiros.
 E pela Azenha de Santa Cruz, aqui, em mais uma experiência cromática sem linhas.


terça-feira, 27 de março de 2018

Óbidos - Residência Artística

No âmbito do Festival Latitudes em Óbidos, fui convidado para uma estadia no resort Bom Sucesso e um fim de semana para desenhar a vila. Claro que não podia recusar.
O tempo não esteve nada agradável mas com boa companhia, foi muito interessante.
No Sábado estivemos na vila, dois arquitectos, um antropólogo e mais três sketchers, mesmo com mau tempo, a vila estava cheia de turistas e os aguaceiros aproximavam pessoas nos pontos de abrigo.




Depois da minha clarividência de que grupo do risco está mais ligado a perigo do que a riscar, apesar dos dois envolvidos, andamos por caminhos de lama até o carro se enviar num buraco e descobrirmos que havia um caminho bem melhor até à torre de observação que queríamos espreitar.
Como o vento era agreste, acabei por ficar ao pé da Sofia Gomes a desenhar, num ponto alto onde o morro do inicio da mata nos abrigava.
Em alguns recantos ainda deu para pintar descontraidamente a paisagem, ver bandos de corvos marinhos, gaivotas, patos, garças... foi muito interessante.



No fim, durante o almoço, o Pedro Salgado do grupo do risco tinha alguns blocos de desenhos de expedições no carro e ficamos a partilhar blocos e experiências até o cansaço nos levar de volta a casa.